Pages

Wednesday, 26 March 2008

SEX AND CITY OF LONDON

Pessoal, estou meio sem axe de escrever esses dias. Mas estou com crise de consciencia pelos meus leitores (que pelos comments devem ser 3 ou 4). Entao lembrei que ha alguns anos eu havia escrito com amigos uma serie chamada Sex and the City of London.

Foi uma brincadeira com dois colegas de trabalho. Obviamente que eh uma brincadeira com a serie americana. Na epoca, nos trocavamos emails o dia inteiro sobre fofocas do escritorio e outros assuntos futeis (ainda bem que minha chefe nao fala portugues e nao vai ler esse post). Basicamente, a estoria eh sobre 4 amigas que moram em Londres e trabalham na City (para quem nao sabe, a City eh a Wall Street inglesa).

Cada um acrescentava algumas frases ou paragrafos e iamos entao montando o episodio. O primeiro episodio eh curto pois foi quando comecou a brincadeira. Nos passavamos dias para escrever um episodio inteiro pois, apesar de voces imaginarem o contrario, nos tinhamos que trabalhar. Nao sei bem o motivo, mas escrevemos somente 4 episodios. Uma pena pois acho que tinhamos futuro. By the way, estah em ingles.


Episode 1:
Have you contacted him yet today? Asked Nicky. Are you waiting for him to contact you? Are you playing the I-am-not-in-love game? What makes Nicky wonder: Isn't it true that we all dream of getting a perfect man with a perfect body, an appartment in Park Lane, and a gorgeous gorgeous fantastic Visa Gold? Are we expecting somebody to bring to our lives the magic that we consider missing? Or what is more important, are we all sluts?That night Charly...


Episode 2:
That night, Nicky did not feel like staying at home all alone thinking of Daniel. Therefore, she brought herself to a small dirty bar near her place. She wasn't feeling very happy after Xmas, but she still decided to go out anyway. She ordered a pint, it did not matter to her which brand.

At the same time, on the other side of the city, Vicky was at home sitting in front of her computer. After spending more than three hours writing an essay about something she could not care less, she decided to stop and have a glass of wine, always white.

While these two poor souls were abandoning themselves to the alcohol, Charly, who had recently found a job as a Sales Associate, was thinking about going back to the office to make endless calls to people she did not know and she did not care about. When she felt a tear falling over her right cheek, she decided to go to the fridge and take out a bottle of wine, always white.

And just like this, the three girlfriends decided to drawn their sorrows in alcohol - Charly and Vicky in a more stylish way than Nicky, since white wine is classy and beer common. With every sip, they started wondering what was so wrong in their lives to make those drinks the best companions ever, why could wine and Nicky’s beer make them feel better than any of their lovers have or will? And the most important question: were they all sluts?

Episode 3:
While Nicky was resting on her sofa, all alone, she was still fantasising, and feeling fantastic, about the guy she had met last night in that dirty bar. She was already falling in love, even though she did not want to admit it to herself.

This made Vicky wonder: why are we so scared to admit that we are falling in love with somebody? Is it because it makes us vulnerable? Does it make us vulnerable because we could not accept the idea of the other person not loving us because "we are not good enough"? Or is it because we don't want to be ridiculous? And the most important question: are we all sluts?

The day after, Nicky meets Charly and Vicky for lunch, and at coffee time she told them that she was falling in love with Wayne (who was the guy in question). Charly, who had been in a relationship for more than four years, said: "That's great". But her expression was as fake as a ten pound coin, and Vicky, always classy and very knowledgeable, expressed, as usual, her sincere opinion: "Don't be ridiculous", she said with her exquisite tone of voice. She was scandalized to the extreme.

After one coffee and a couple of cigarettes, Nicky decided to take things slowly, and Charly, who could barely remember how excited and insecure people feel at the beginning of a relationship, agreed with her that it was the best and most sensible thing to do.

It was still Wednesday, and Vicky, who could not wait for Friday, since she had been planning to get drunk, still had to work on a couple of essays for university. Always learning, that's Vicky.


Episode 4
Nicky spent all afternoon thinking about this 'taking-things-slowly' issue. Charly's advice was echoing in her mind. How is it possible to take things slowly when one is completely in love? How is it possible to control your thoughts? Later that afternoon, Vicky turned up at Nicky's office to say hello. She was fabulous in her new outfit. She gave Nicky a precious advice: call Wayne. Nicky ended up calling him. She found him a bit cold on the phone. Was he really cold or it was her imagination? Nicky got confused and decided to call her beloved friend Christiane in Brazil. Chisty lives in London but went to Brazil to have a plastic surgery. She was busy having lunch with a Brazilian businessman. This made Nicky thinks about something. Are we always looking for the Mr. Right? Is it possible to stay single forever and just enjoy life? Are we all sluts?

Christy came back from Brazil two days later, and Nicky, Charly and Vicky could not wait to meet her. They knew that something was going on between Christy and that Brazilian businessman.

They decided to meet for coffee at the Dorchester hotel. Even if they all were down and out, they always had the spare £10 for a latte in the poshest hotel in London. Vicky and Nicky arrived together nearly on time, and Charly 10 mins later. They ordered their £10 coffees and talked about their weekly miseries. 5 mins later Christy showed up.

N, V and C could not believe it. "Christy, darling, those are the biggest plastic boobs I've ever seen in my life! Are you mad?", said Vicky. Nicky was horrified, but she could not believe when Christy said that they were a present from her Brazilian "friend" and added "And please, don't call me Christy anymore, call me Tiane, everybody does in Brazil."

If Charly did not slap her right there and then it was only because decency stopped her; and because they were at the Dorchester hotel, of course.

After listening to Tiane's stories (all glamorous, romantic, wild, etc.; and all located in exotic Brazil) the girls decided that they had had enough and that it was time to go home.

On her way home, Vicky (who was also thinking of changing her name to something more exotic) could not help wondered: why do women need bigger boobs? Are plastic boobs an extension of women self-esteem? Has self-respect anything to do with all this? Obviously not, otherwise, why would somebody go through an operation in order to get Barbie's tits? And the most important question: Are we all sluts?

Thursday, 20 March 2008

Pesada Hospitalar

Pessoal, voltei de Barcelona a cara da Penélope Cruz (I’m worth it) e com uma tendinite no pé daquelas. Passei alguns dias com uma dor infernal. Imaginei que era por ter bordejado pelas calles e ramblas de Barcelona.

A dor era tanta, que fui a um hospital. Organizei um mini-cab para me pegar em casa e tudo. No caminho, me concentro no programa de radio que estava a passar. O programa era sobre as mudanças no conjunto de leis da União Européia. Basicamente, a grande discussão era se deveria haver consulta popular ou não. O radialista estava entrevistando ouvintes e fazendo um mini debate. De repente entra no ar um John-Qualquer-Da-Vida. A primeira frase foi: Hi mate! Para quem não sabe, esse é o comprimento oficial dessa espécie. O nosso amigo ouvinte começa então a bradar com todas suas forcas que votará contra tudo que leve EU. Falou que esses europeus de m_ _ _ _ são um problema. Que houve uma guerra no passado para não deixa-los entrar aqui. Falou também que UK não era Europa, bla, bla, bla, bla. O radialista o tirou do ar na hora.

Gente, se ele tem essa opinião sobre os Europeus (vale salientar que ele não está sozinho), imagina sobre nós os habitantes da floresta (ele não deve ter a mínima idéia onde o Brasil está localizado geograficamente e deve pensar que vivemos em arvores).

Bom, cheguei finalmente ao hospital (quase peco ao motorista para dar voltas no quarteirão para ouvir mais do programa). Tento então achar a emergência. Descobri que era no primeiro andar. Será que se uma pessoa chega em estado grave tem que esperar o elevador?

Consegui me arrastar até o elevador e chegar a emergência (ninguém me ofereceu uma cadeira de rodas e não perguntou nem as horas). Fui direto ao balcão da recepcionista. Devido a leis de Health & Safety, a moca que fica atrás do vidro tem que ficar sentada e o buraco que ela fala é na altura de sua boca. Eu com uma dor infinda, baixo-me, quase acocorado, para responder perguntas tipo nome, idade, endereço, religião e sexo (em Londres, a aparência física da pessoa não é suficiente para determinar seu gênero).

Depois de responder tudo e quase morrer de dor ao voltar à posição vertical, sento-me para esperar ser atendido. Gente, o que vi foi interessantíssimo. As vezes você pensa que o hospital é em um país Árabe. O animado é quando entra um doido e começa a xingar a rainha. E o bando de Filipinos que entra porque um deles cortou o dedo! A confusão é tanta que vc espera alguém gritar BINGO a qualquer momento. Por isso, se tiverem tempo livre, passem a tarde em um hospital londrino. É uma experiência única.

Finalmente sou chamado pelo medico. Arrasto-me a sua sala com a certeza de haver encontrado o meu salvador. O Ser que iria dar-me o conforto que precisava. Na verdade, levei foi uma bronca. Caí na besteira de dizer que achava que era um problema crônico. A bronca foi por ter ido ao hospital. Ele então passou paracetamol e mandou eu procurar um medico. E eu achando que hospital era onde eles estavam. Tão ingênuo.....

Saí do hospital em depressão profunda e, obviamente, muita dor. Voltei então para minhas compressas de água quente e meus lenços de papel para as lagrimas. Resolvo ligar para o meu GP (clinica geral do bairro). Como imaginava, eles não tem atendimento de emergência. Tentei marcar uma hora para o outro dia. Não podia. A regra é: vc tem ligar marcando uma hora para ligar para marcar uma hora. Ou seja, marquei uma hora para ligar na Segunda para então marcar uma consulta. Se vc ligar para marca uma consulta sem ligar antes para dizer que vai ligar, eles não marcam. Entenderam? Nem eu…..

Que saudades do meu plano de saúde. Vocês não imaginam como é péssimo morar em um país onde o sistema de saúde pública é complicado.

Abracao.

Nelson

Friday, 14 March 2008

Aeroportos

Pessoal, não sei se vcs já tiveram o prazer (ou desprazer) de pegar um avião em um dos aeroportos de Londres. É uma experiência que vai de antropológica a infernal. A jornada antroponal começa quando vc sai de casa. Se você pegar um mini-cab, isso já é uma experiência única por si só. O motorista vai ser de um país obscuro que vc nunca ouviu falar (tipo o Tererequistao) e que fala um inglês que vc jura que ela tah falando Tererequistes.

Chegando ao aeroporto, vc tem certeza que caiu de pára-quedas na Marques de Sapucaí em pleno carnaval e o enredo é De Volta as Raízes. Eu sempre espero ver a ala das baianas ou uma drag vestida de Carmem Miranda.

Ate aí beleza. A área de seu check-in é a W e vc chegou na B. Se vc chegar lá na W sem nenhum arranhão é porque vc foi voando. Pior é quando vc está com tendinite no pé e todos miram suas malas e carrinhos lá.

Se vc viaja com uma empresa grande tipo Aviações Britânicas, a experiência é um pouco melhor. Mas viaja em empresas da fome como a Jato Fácil (to traduzindo para não fazer merchandising, neh!). Como diz minha tia, dá vontade de botar o c_ no armador e fazer carreira. Mas como a liseira é grande, tah valendo.

Pois bem, vc vai então encontrar 534 check-in desks com destinos que vão de Praga ao Porto, passando por Varsóvia, Milão e Málaga. Depois de 40 minutos na maior fila é que vc descobre que pode pegar qualquer uma. O bom é quando vc pega uma fila com windsurfistas a sua frente, com aquelas pranchas intermináveis e todos os amigos que ele convidou para a viagem. Os tubarões de Recife não sabem o que estão perdendo.

Acabado o check-in, entra security (raio-x para alguns). Vc consegue pegar a fila menor, já está com seu sapato na mão, laptop fora da bolsa e entre as pernas, casaco na ponta dos dedos e saquinho transparente com o desodorante empindurado nos dentes. Tudo pra facilitar. Aparece então das profudenzas do solo, duas senhoras em cadeiras de roda, usando chapéus róseos imensos, maquiagem a lá néon e empurradas por inglesas tão delicadas quanto dois hipopótamos. É strike na certa.

Bom, passa security e vc então tenta ver nos monitores onde é o seu portão de embarque. Começa a ler os destinos: Galgary, Guernsey, Tallinn, Vilnius, Riga, Billund. Já iniciaram viagens interplanetárias?

Finalmente vc ver seu destino e descobre que seu vôo está atrasado (gente, vcs não imaginam como é horrível morar em um país que tem atrasos nos vôos o tempo inteiro). O pior de tudo, e isso deixa vc irado, é o fato de não ter leite desnatado no coffee shop. Feliz é a mulherada que passa o tempo lixando as unhas.

Vc resolve então dar uma volta para esticar as pernas. Para alguns, os baldes espalhados pelo chão do aeroporto é uma instalação de arte moderna. Mal sabem, que é goteira mesmo. Gente, fiquem chocados não. O JFK de Nova York tem tanta goteira que vc pensa que o teto é uma tabua de pirulitos. Por isso, se vcs se depararem com goteiras e baldes no Pinto Martins, Galeão ou Cumbica, relaxem. É uma tendência internacional e ultima moda em Londres e NY.

Com tudo isso, vc tem que ser otimista, positivo e bem humorado, quase Poliana. Ainda bem que meu vôo não faz escala no Iraque.

Que saudades do Pinto Martins!!

Abracao,

Nelson

Ps: Para quem não sabe, o Pinto Martins é o aeroporto de Fortaleza. Carinhosamente chamado pelos mais íntimos de Pinto Novo já que construíram um novo terminal.

Saturday, 8 March 2008

Almodóvar encontra Nelson Rodrigues em As Noivas de Barcelona


Como vcs bem sabem, estive em Barcelona recentemente (se não sabiam, sabem agora). No Segundo dia fomos a Sietges para pegar (ver) uma praia. Passamos o dia comendo tapas e curtindo um solzinho do inverno espanhol. Obviamente demos uma bordejada pela cidade. Andando por Sietges, passamos por uma igreja onde havia uma noiva preste a entrar. Foi como estar em um filme. Aquela igreja espanhola, a noiva com um ar de Penelope Cruz, faltou só uma drag entrar gritando dizendo que a noiva era o pai do filho dele (Bem Almodóvar, não?). Daí a noiva não se casaria e passaria a matar todas as noivas da vizinhança (Isso já seria Nelson Rodrigues).

Voltamos para Barcelona no final do dia. Antes de ir para casa passamos em um mirante para apreciar a vista e, obviamente, tomar umas copas. Quando descemos do carro, eis que demos de cara com uma noiva e seu marido (ou quase) a tirar fotos. Apesar de estarmos há pelo menos 100 Km da primeira noiva, achei que era a mesma, já que essa também parecia Penelope Cruz. Mas não era.

Duas noivas no mesmo dia! E as duas parecendo Penelope Cruz! Bizarro.

Bom, fomos para casa para lavar as partes e sair para jantar. Deixamos o carro em casa e resolvemos ir de metro. Prestes a chegar a estação, vimos (e ouvimos) bombeiros e uma ambulância chegando com suas sirenes ensurdecedoras ao mundo, carros parando para dar passagem, pessoas assustadas. Como um bom morador de Londres, pensei o pior. Ao aproximarmos, eis que a revelação do motivo daquele alarde todo nos deixou chocados. Pasmem. Uma noiva havia enganchado seu vestido esvoacante no topo da escada rolante do metro, já na calcada. Foi uma cena surrealissima.

A noiva enganchada, o fotografo oficial a tirar fotos, os padrinhos e convidados em conversações animadas, bombeiros chegando com mangueiras e machados. Começa a juntar gente, pessoas rindo e tirando fotos e a noiva a pousar para as fotos. Uma equipe de sete bombeiros tentando desentalar a noiva. Mais pessoas chegando e tirando fotos. Um furduco.

Infelizmente não ficamos para ver o desfecho. Mas tenho que confessar que depois de anos em Londres, minha primeira reação foi fazer de conta que nada estava acontecendo. Afinal de contas, uma noiva com o vestido enganchado na escada rolante do metro é tão banal quanto um grupo de pessoas dançando a coreografia de Thriller dentro do trem do metro (http://www.youtube.com/watch?v=X6EDAZ3crdY).

No caminho para o restaurante, alguns questionamentos vieram a minha mente:

-Será que ela já havia casado?
-Estaria ela fugindo?
-Onde estaria o noivo?
-Estava ela indo ou vindo de seu casamento de metro?
-Será que na Espanha desenganchar noivas está na lista de deveres dos bombeiros?
-Ver três noivas no mesmo dia tem algum significado?
-Teriam a noivas na Espanha que necessariamente parecer com a Penelope Cruz, haja vista que a nossa terceira noiva era também muito parecida?


Como passei pouco tempo em Barcelona não consegui encontrar respostas para meus questionamentos. Aqueles que conhecem mais sobre os espanhóis poderiam me mostrar a luz no final do túnel? Definitivamente, eu não sou a mesma pessoa depois dessa experiência única.

Abracao.

Nelson


PS: Consegui colocar alguns acentos. Mas tem outros que não rolam nem por reza pesada. Quem sabe na próxima.