Pages

Friday, 24 October 2008

Credit Crunch


Pessoal, não posso deixar a crise passar (se ela passar) sem um post sobre a dita cuja. Como todos sabem (se não sabe, ta bom de ler mais) o mundo nas ultimas semanas esteve as margens de um colapso que levou vários governos a injetarem bilhões de dólares em suas economias. O objetivo foi impedir que bancos entrem no buraco. Ora, não sou economista, mas tenho bom senso suficiente pra saber que as medidas foram acertadas e necessárias. Se um banco vai ao buraco, ele pode levar um pais inteiro e, a tiracolo, nós pobres mortais. Infelizmente estamos compulsoriamente engatados nessa mecânica. Justo ou não, é assim que o mundo está configurado. Como diria a fora-de-moda teoria do chaos, uma borboleta batendo asas em Kuala Lumpur, gera um tornado na Serra da Meruoca. Nessa onda, os governos ditos emergentes também querem se enquadrar. Na Lulalandia, uma medida provisória que autoriza o presidente a estatizar bancos e instituições financeiras será o meio de enquadramento. Muito justo. Afinal o Impávido Colosso é uma estrela em ascensão. Já tivemos CPI das privatizações, espero que nunca tenhamos uma das estatizações.

Essa introdução introdutória foi somente para dar um pano de fundo (ou no fundo) a esse post. Aqui em Elizabetilandia, não se fala outra coisa que não seja crise. Para os desinformados, a crise aqui se chama Credit Crunch. Até logomarca criaram! Já se pode comprar camisetas, adesivos e estão até pensado em registrar a marca. O fato é que o Credit Crunch está nos jornais todos os dias. Supermercados já usam o Credit Crunch em propagandas na TV, lojas de celulares já oferecem descontos e promoções baseados no Credit Crunch e as pessoas já culpam o Credit Chunch por terem acabado o namoro ou pela ressaca do pos-festa. Hoje li que o governo vai acrescentar novas medidas para a venda de cerveja nos pubs. Como os mais viajados sabem, pode-se comprar 1 Pint ou 1/2 Pint de cerveja. Logo logo, alem dessas medidas, vai-se poder comprar 1/3 ou 1/4. Não vou me surpreender se os pubs oferecerem uma dose de cerveja.......É a cultura do Credit Crunch. É uma espécie de histeria coletiva. A crise acaba se tornado pior do que realmente ela é devido ao humor das pessoas. Acho até que as bolsas deveriam contratar psicólogos.

Nesse contexto, ha aqueles que usam e abusam da criatividade. Outro dia fui comprar um sushi para almoçar e me deparei com vários tipos de sush sets. Tinha o De-luxe, o Jumbo, o Basics e o Credit Crunch. Eu não acreditei. Advinha o que as pessoas estavam comprando? O fato é que em tempos de Credit Crunch o senso da oportunidade econômica se junta à criatividade e a habilidade do inglês em fazer humor negro, e temos o Credit Chruch comestível. Na verdade isso não é novo. Eu lembro que havia uma sorveteria na Luzianelandia chamada Ice Kid (Se duvidar ainda existe) que tinha um sundae chamado Crise. Eu só pedia esse! Acho que era uma identificação. ;)

Muito cá entre nós, criatividade em tempo de crise é algo bem brasileiro, não é mesmo! Nós bem sabemos disso. Esses Ingleses estão a nos copiar em tudo. Lendo os jornais você comprova isso descaradamente. Os jornais daqui só falam em inflação, aumento da violência, desemprego e crise. Pra que mais brasileiro que tudo isso. Por isso a imigração esta ficando mais rigorosa. Eles já roubaram as nossas idéias agora não precisam mas da gente.....

Abracao

Nelson

2 comments:

maria odila said...

A gente nem se abala mais... isso pra muita gente eh fichinha!! cafe pequeno!


Que bom ler mais um post seu!



odila

Ana Paula Cardoso said...

Meu rei, vem cobrir a crise comigo vem...vc é ótimo anlista financeiro, vou entrevistar o senhor pras minhas matérias!!!!