Pages

Monday, 7 September 2009

Arte Moderna


Pessoal,

Eu tenho que confessar que tenho um pouco de dificuldade de 'grasp' arte moderna. Nao a arte da era moderna mas algumas pecas ou 'instalacoes' que 'artistas' montam e carimbam de arte moderna. Lembro que ha alguns anos fui ver uma exposicao de arte moderna no Ibirapuera em Sao Paulo. Muita coisa que vi naquela exibicao me deixou intrigado. Existe uma linha tenue entre arte moderna e enrolacao? Tenho a impressao que qualquer coisa pode ser arte moderna. Ateh eu agora escrevendo esse post de roupao pode ser arte moderna...

Lebro tambem que ao sair do park passamos de carro por um sinal (ops, como era Sampa era um farol) e havia um vendedor de vassouras que amarrou uma corda entre dois postes na esquina e colocou varios tipos de vassouras, vassourinhas, vassouretas (se fosse bolsa, seria bolsas, bolsinhas e bolse...), escovoes e tudo mais. O vento batia e as pecas faziam um movimento harmonico. Poderiamos facilmente dizer que aquilo era um instalacao de arte moderna: Uma Ode a Limpeza Urbana.

Eu entao resolvi montar uma exibicao de arte moderna. Chama-se Uma Ode ao Executivo Moderno. Serah uma exposiacao permanente em Londres. Para maiores informacoes e doacoes, por favor mandem-me um email. Aqui estah uma foto que serah capa do catalago. Eh uma exibicao interativa. Voces terao a oportunidade de ver executivos em seu habitat natural. Terao a oportunidade de ver a interacao entre os pares, o famoso fenomeno do coffee break e, se tiver sorte, poderao ateh ver praticas de reproducao da especie. Nao percam!

Abracos

Nelson

Thursday, 20 August 2009

Email ao Senador

Caro Senador xxxx,

Sou Cearense e moro em Londres ha mais de 5 anos. Apesar da distancia geográfica, estou sempre antenado com o que acontece no Brasil e no Ceara. É com muita tristeza que leio em O Povo que o senhor votou em favor do engavetamento do processo contra o Senador Sarney. Ao ler a nota oficial do PT sobre o assunto no seu website, um parágrafo me chamou bastante atenção:

‘Por entender que essa crise tem raízes reais, mas é manipulada de forma hipócrita para interesses eleitorais, e por defender a estabilidade política e o estado democrático de direito, como bases para um funcionamento pleno da democracia, não há como reconhecer no Conselho de Ética, com os ânimos da radicalização política atual, condições para encaminhar uma investigação isenta e equilibrada, seja sobre o senador Sarney ou sobre o Senador Virgílio, sem falar em outros casos sobre os quais caberia representação ao órgão.’

Concordo com a nota quando ela fala que essa crise está sendo usada como gancho eleitoral. Mas todos os casos do passado também não o foram? Não houve intenções eleitoreiras no impeachment do Presidente Collor? Acho que intenções eleitoreiras haverá sempre até porque não poderia ser diferente levando em consideração a forma como a Política é estruturada.

Bom, não sou um cientista político nem um estudioso do assunto. Minha opinião é somente baseada em meu sentimento como cidadão. Assumindo então minha ‘ingenuidade’, eu acredito que o cerne na questão não é esse. Quando o PT fala ‘Por entender que essa crise tem raízes reais...’ e se posiciona contra tal processo, no meu ver isso gera uma contradição sem precedentes. Ora, se é real, ela tem que ser investigada, tem que ser levada adiante e tem que ser questionada. Isso tudo faz parte da estabilidade política, do estado democrático de direito e da base para um funcionamento pleno da democracia. Isso se chama Ética.

Partindo desse pré-suposto, o posicionamento Ético seria o de levar adiante o processo pois ele é real e é baseado em fatos. Seria também o de garantir que um possível julgamento não sofreria influencias injustas, eleitoreiras ou ideológicas. Salvaguardando as devidas proporções, seria como inocentar um assassino porque quem o denunciou foi um outro assassino.

Bom, acho que deixei claro o que penso sobre o assunto. Mas a principal razão desse email é expressar minha tristeza. Eu considerava o senhor como um dos poucos éticos e íntegros políticos Cearenses. Votei no senhor em diversas ocasiões. Votei não porque sou um idealista. Votei por achar que havia no senhor algo alem de um político convencional.

Na verdade, a minha maior tristeza é a consciência de que sou um ingênuo por acreditar que a política não precisa ser uma para os eleitores e outra nos bastidores. Acho que é hora de acordar para realidade e ter uma visão mais pragmática da política. Obrigado então por me fazer ‘cair na realidade’.

Nelson Gurgel

Wednesday, 12 August 2009

O Tempo Voa

Não acredito que meu ultimo post foi em Janeiro. O tempo voa, não? Mas ainda não estarei postando nada hoje. Na verdade, não tem nada de valha a pena ser postado. Poderia falar da Swine Flu, do caso Sarney, da separação do Peter Andre e Katie, do baby Peter, desemprego desenfreado em Londres, Michael Jackson, escândalo das expenses dos parlamentares ingleses, entre outras. Mas não estou no mood.

Só abrindo um parêntese, a crise das expenses acabou sendo engraçada e terminou em curry. Tem um parlamentar que usou dinheiro publico pra comprar uma casa para patos. Já pensou. No Brasil eles compram casas para eles mesmos. Aqui para os patos. Vale salientar que os patos que me refiro são os animais, não os eleitores.

E a Swine flu então. Que histeria. Eu tava pensando outro dia como mandar pegar meu Tamiflu quando eu pegar a danada (meu povo, é só uma questão de tempo). Os fluzentos tem que arranjar um ‘Flu Friend’ que vai até a unidades de saúde para pegar o remédio levando um id da pessoa. Primeiro que pedir isso a um amigo é ser um amigo da onça. Mas eu já pensei como farei. Já deixei um id dentro de um daqueles sacos a vácuo de geladeira. Vou então jogar o saco pela janela e meu Flu Friend pega ele com um par de luvas. O id vai estar descontaminado depois de tirado da embalagem. A volta que vai ser um chalenge. Eu já comprei um barbante e amarrei em uma bowl de salada de plástico que tenho. Daí, meu Flu Friend terá que arremessar o remédio para o bowl que estará empendurado na janela. O problema é que vou ter que arranjar um Flu Friend bom de pontaria. Caso ele erre e o remédio caia no chão, eu já comprei duas vassouras com cabo longo para pegar o remédio. Acho que vai dar certo. Inclusive já montei um manual de procedimento ilustrado para essa operação. Só falta arranjar o querido amigo...

Bom, fechei o parêntese. Outro dia eu faço um post de verdade.

Abraços

Nelson

Friday, 9 January 2009

Berlin Revolucionaria


Não sei se vocês sabem, mas fui passar o ano novo em Berlin. Fui para lá por três principais motivos: (a) ganhei uma passagem, (b) minha grande amiga LM mora lá e (c) eu adoro Berlin. Na verdade, Berlin é uma das minhas favoritas cidades da Europa (senão a favorita). Berlin tem uma energia interessante. É uma cidade ainda em busca de sua identidade. Dessa vez tive o sentimento que essa é a identidade de Berlin. Ou seja, uma cidade em constante transformação. Berlin foi a cidade alemã que mais sofreu e tambem se beneficiou no momento certo com a unificação das Alemanhas.

Em resumo, Berlin foi a sede do império Nazista, foi loteada apos a Guerra, foi dividida radicalmente com a construção do muro e é hoje sede do governo Alemão. Sem duvida, uma cidade com uma historia interessantíssima que tambem sofreu profundas feridas durante um dos mais nervosos períodos da nossa historia moderna, a Guerra Fria. Apesar de tudo isso, Berlin resistiu bravamente e não perdeu seu caráter Revolucionário, Igualitário e Liberal. Liberal em todos os sentidos. Berlin é uma cidade onde se pode tudo e que se encontra de tudo. É uma cidade sem pudores e sem hipocrisias.

Apesar de tudo isso ou por causa de tudo isso, Berlin é uma cidade falida. A arrecadação não é suficiente para manter a cidade tendo o governo federal alemão que pagar as contas da rebelde e moderna Berlin. É a maior taxa de desemprego da Alemanha e também a cidade mais barata. Talvez seja por isso que Berlin tem vocação para as artes, cultura e prazeres. Li em algum lugar que o lema de Berlin é e sempre foi: Poor but sexy. Essa é Berlin.

Essa introdução foi para dar pano de fundo ao principal ponto. Eu já havia falado anteriormente em um outro post que a criatividade é latente em Berlin. Essa criatividade é tanta que às vezes extrapola a linha tênue do exagero. Comprova-se isso claramente nos cabelos, roupas e atitude de algumas pessoas nas ruas. Obviamente que a propaganda e o marketing também sofrem influencia dessa criatividade.

Pois bem, estava eu alegre e serelepe andando pelas ruas de Berlin a menos 18 graus centígrados quando me deparo com uma loja de móveis em promoção. Na verdade, o que mais me chamou atenção não foi nem as pecas ali expostas, mas o nome de uma cama. Eu não acreditei (foto acima). Berlin é uma cidade bilíngue onde todos falam inglês. Então, com certeza, todos sabem o significado das palavras atribuídas a cama. O choque dos primeiros segundos foi substituído por uma certeza. Berlin é uma cidade sem preconceitos, pudores ou falsos moralismos. Aquela cama tem um publico alvo e esse publico alvo faz parte de Berlin.

Por isso eu aviso aos mais desavisados, se você não tem espírito revolucionário, mente aberta, desprendimento, alma de artista e acha Paris a cidade mais interessante da Europa, não vá pra Berlin. Afinal de contas não queremos estragar essa cidade maravilhosa, não é mesmo. E viva Berlin.