Pages

Saturday, 30 January 2010

Fazendo bicos 2

Nessas minhas idas e vindas em oroportos esse final de ano, tive a oportunidade unica de ouvir uma conversa riquissima entre dois tugas no aviao. Obviamente que meus escutadores de novela automaticamente usaram ate as energias de reserva para captar essa conversa. Amigos, infelizmente o teor da conversa nao eh publicavel nesse seu blog amigo. Tenho que confessar que o vocabulario tuga usado pelos caros colonizadores era, algumas vezes, desconhecido por mim. Mas houve uma parte da conversa que me fez lembrar de um post que escrevi ha alguma tempo. Como nao vou poder escrever aqui o teor de tal conversacao, ponho aqui novamente meu post antigo apesar de nao necessariamente ser sobre os mesmos bicos que os desconhecidos lisboetas falavam.

N


Pessoal, minha amiga AP do Rio pediu para eu contar a estoria dos bicos em Portugal (Portugueses, nao tirem conclusoes antecipadas. Vejam o resto).

Tudo comecou no meu 1º ano em Londres na segunda encarnacao (eh que eu morei duas vezes em Londres). Estava meio melancolico, saudades da mundica dos Bubus, da tia G que adora manga, da serra da Meruoca, enfim..... Meu amigo JF convida-me para passar o natal com ele e a familia em Lisboa. Apesar da liseira interminavel, fui. Afinal de contas seria otimo tirar uns dias de folga em Portugal e passar o natal em ambiente de familia, etc. Foi uma viagem inesquecivel e emocionante do ponto de vista historico. Conheci Sagres, Coimbra e Lisboa (Abrindo um parentese, Portugal eh fantastico. Ir a Portugal eh mergulhar na nossa historia. Vc passa a enteder melhor nossa cultura e habitos. Eu acho aquele povo que fala que nao precisa ir a Portugal quando for a Europa pois nao tem nada, eh um povo que merece viajar em um grupo gigantesco e passar por 50 paises em 7 dias).

Voltando ao assunto, na noite de natal fomos para a casa da irma de JF. A familia dele eh bem tradicional e posh (no bom sentido. Pessoal maravilhoso). Todos sentados a mesa para a ceia (15 pessoas) e o avo dele (pai do pai. Eh que nao tem acento!) usando terno e gravata. Estavamos todos a mesa conversando animadamente e comendo (lembrei-me na hora do natal dos Bubus. Bem silencioso, uma fines monarquica e um menu que muda todo ano. Ah que saudades do pessego.....).

Eu com minha boca grande, para ser simpatico, comeco a usar palavras portuguesas e solto um gajo. Nao soh um, mas 2, 3,....1000. De repente, o avo do JF pergunta se usamos essa palavra no Brasil. Senti que falei m_ _ _ _ . Ele entao fala que aquela palavra nao era apropriada a mesa. Eu morri. Silencio profundo a mesa. Um baita climao. Quase peco um mini-flashback. Alguem quebra o silencio com as ultimas do aquecimento global. Obviamente nao abri a boca daih em diante. Nem para comer. Terminado a ceia (eu faminto), fomos a sala de visitas para cafes e licores. Pessoal, eu adoro Porto. Cai de boca no Porto e esqueci o episodio do gajo.

Jah estava engajado novamente em conversacoes (pegaram o trocadilho? Eu falo porque tem aqueles lesados que nao entendem os trocadilhos). Minha boca abrindo de novo (perigo). Daih acontece o cataclisma que tremeu o chao e fez o teto cair na minha cabeca. Alguem pergunta o que eu fazia na minha 1ª encarnacao em Londres. Veio entao a frase que deixou todos engasgados. Falei em alto e bom tom para todos os convivas ouvirem:

Estudava ingles e fazia bicos!!!!

Pessoal, quando forem a Portugal, deixem essa palavra em casa. Para quem nao sabe, fazer bicos em Portugal eh o ato de pousar a genitalia masculina na boca e fazer movimentos cadenciados com o intuito de proporcionar prazer ao receptor, mediante remuneracao pre-negociada.

Resumo da opera, deixei Portugal com minha reputacao abalada e um rotulo na testa: Garoto de Programas Brasileiro Especializado em Bicos. ;))

Abracao.

Nelson

2 comments:

Anna Karenina said...

Nelsinhoooo,

Ler seu blog me fez lembrar nossas andanças noturnas em terras alencarinas... Saudades Filha da P...

Já estou fã do seu blog!!!

Voltando ao presente post... AMOOOO ficar de "bicuda" - saliento o sentido da palavra: espiã de conversa alheia - em viagens. Me dá a sensação de estar de espectadora, como você mesmo descreveu tão precisamente.

Beijo grande,

Claudia said...

Nelson, só você mesmo para contar uma história dessas e me fazer desmontar de tanto rir! Conheci um professor português em um congresso e questionei sobre a história do gajo... ele disse que isso é frescura dos 'mouros' (diga-se de passagem, ele é do norte de Portugal). Disse que no norte é bastante comum usarem o 'gajo'. Agora... se eles se espantaram com o 'gajo', fico imaginando com o 'bico'... pq esse até os do norte de Portugal confirmaram! rs rs rs