Pages

Tuesday, 11 January 2011

Balceiro de Diferenças



Recentemente colaborei com o blog Salada Corporativa (www.saladacorporativa.com.br) falando um pouco da minha experiência com o multiculturalismo no ambiente de trabalho. Foi bacana falar sobre esse assunto pois recebi vários comentários interessantes. Todos afirmaram que lidar com pessoas de vários estados do Brasil é também uma experiência multicultural.
Apesar do 'melting pot' que mencionei era na verdade de pessoas de outros países, não tenho a menor dúvida que o Brasil é um 'balceiro' de diferenças. Essas diferenças, apesar de convergirem ao fato de sermos todos brasileiros, são refletidas principalmente no nosso vocabulário. Quantas vezes conversando com amigos de outros estados esbarrei com palavras ou termos que não conhecia e vice-versa? 

Um dos comentários que recebi por email ressaltava as maneiras diferentes de falar uma mesma coisa. O autor dizia:
'...enquanto o cearense diz "rebola o caburão no mato", o carioca diz "vasa", o baiano "não vai bulir nisso. Joga fora logo", o gaúcho "eh tchê, por que não te livras dessa fina" e tantas outras.’

Um leitor que mora no Rio, comentou por email: 'Aqui na (empresa que ele trabalha) vivo num ambiente multicultural. É gaúcho, paranaense, paulista, goiano, baiano, potiguar e até carioca!'

Pelo Twitter, uma das mensagens que recebi dizia: '...me vejo em muitos casos aqui, mesmo não tendo estrangeiros, mas local mesmo...'

Bom saber que as pessoas fizeram uma associação direta com seus ambientes de trabalho. Como mencionei no Salada Corporativa, é importante analisar algumas situações do ponto de vista cultural quando estiver imerso em um ambiente multicultural. No caso brasileiro, imagino que essa premissa também seja válida.

Recebi ainda outros comentários que não se referiam diretamente ao tema central do post. Um email dizia:

'Gostei do texto. Eu como não sou amante de nada relacionado a essas novas tecnologias, não consigo acompanhar você no tuíter nem em outras mídias sociais. Inclusive descobri que sou dinossauro mesmo: uso e-mails para entrar em contato com amigos. Será que você vai, em breve, escrever um texto tratando da convivência dessas pessoas ultrapassadas como eu e essa juventude que escuta ipod (e que vai ficar surda na velhice) e trabalha ao mesmo tempo? '

Esse comentário é maravilhoso. O leitor viu nas estrelinhas vários fenômenos que talvez não nos demos conta em nossa rotina. Hoje em dia é mais rápido mandar uma mensagem direta no Twitter, postar algo no wall de alguém no Facebook ou usar o msn para conversar com um colega de trabalho. O mundo digital é um ‘balceiro’ de redes e conexões que as vezes não são fáceis de monitorar. A indignação desse leitor tem fundamento e gera um debate proveitoso. Toda essa histeria digital pode ser muitas vezes estressante.

Por outro lado, profissionais de marketing não podem ficar fora dessa revolução. Precisamos adaptar para sobreviver. Não só adaptar propriamente dito mas entender profundamente como a nova ordem funciona e antecipar tendências. Os ‘marketers’ que não acompanharem essa nova engrenagem vão sim virar dinossauros.

Legenda:

Balceiro = Conjunto de troçadas.

O que é uma troçada? Enviarei o significado em uma mensagem se voce postar o seguinte texto em sua timeline no Twitter:

@NelsonGurgel Quero saber o que é uma #troçada

Não tem Twitter? Essa é a oportunidade de criar um! :))

4 comments:

Márcio said...

Nelsinho, pois eu sou mais um com dificuldades em monitorar todas as formas de comunicação/informação existentes hoje em dia. Acho ótimo poder "encontrar" e ter notícias dos meus amigos pela rede das mais diversas formas, mas simplesmente não tenho tempo para usar todo este arsenal de comunicação. É muita coisa! Primeiro era email, depois chegou ICQ/MSN, ai veio o tal do Orkut, mas agora tem que ter conta no Facebook também, e no twitter, além do blog e das fotos no flickr e vídeos no youtube! No trabalho eu não posso acessar a maioria destas coisas, e se depois do expediente eu for ver tudo isso, não faço mais nada da vida! Isso se eu só quiser ler! Porque se eu for postar teria que pedir demissão para ter tempo! Para mim o ideal era ter um "cliping", uma ferramenta resumidora de redes sociais (mais um produto das organizacoes tabajara).

Abração.
PS: Mas apesar da minha aversão a hiperconectividade, minha mulher também criou um blog.

@NelsonGurgel said...

Marcio, vc pode fazer seu proprio clipping sim. Use um Feed Reader. Ha varios por ai. Eu uso o Google Reader. Boa sorte! ;)

LUIZ FERNANDO TEIXEIRA LIMA said...

Good and old friend:
Sou um aficcionado por novas mídias e como elas estão mudando as formas de educação , creio que estão revolucionando a era!
Contudo levo a atenção aos meios de comunicação já consagrados,como o bom e velho boca a boca ,que para profissionais Liberais, existem como o recurso ético para a divulgação de seu nome e sua atuação e para isso as mídias "virtuais"ainda tem o uso restrito, já que essa divulgação possui um caráter bastante pessoal ( não se posta em blogs ou microblogs que seu advogado foi muito ágil em seu divórcio,ou que seu médico é delicado porque fez um curso de toque retal com a freiras ninfomaníacas do Tibete ou muito menos que vc enquanto profíssional liberal faz melhor por menos ... e por aí vai) e para isso as cadeiras na calçada, depois de tomar aquele café com tapioca esperando o Aracati pra aplacar o calorzão (por favor explique isso no seu blog)funciona muito bem! pena que as calcadas daqui estão impraticáveis ,eita, prefeita difícil! bom isso já é um outro assunto;
Retomando ,é muito bom viver essa era de uma RUMA de meios de comunicação e que o meio físico (de comunicação) ainda continua com muita força e presente.
Muito legal seu balceiro!!!!
Luiz Fernando

Mauro Segura said...

Nelson.
Eu sempre cito uma curiosidade que surge flagrante aqui no trabalho. Eu vivo na ponte aérea, e os meus colegas mais íntimos do Rio as vezes me chamam de "Maurinho", já em São Paulo, na intimidade, os meus colegas me chamam de "Maurão". Enfim, gostei do seu blog e desse último post. Abraços. Mauro Segura.
www.aquintaonda.blogspot.com